Prato Verde aposta no controle de qualidade e boas práticas na cozinha

Prato Verde aposta no controle de qualidade e boas práticas na cozinha

Márcia Regina Tamiozzo é a responsável pela supervisão da cozinha, trabalhando no controle de qualidade, zelando pelas boas práticas e normas de saúde no preparo e manipulação dos alimentos. Ela também atua na elaboração do cardápio, criação de novas receitas e releituras

Você já reparou que, de uns meses para cá, o Prato Verde está com algumas receitas novas e alguns pratos estão com temperos especiais?

As mudanças começaram no início do ano, com a chegada do chef senegalês Mamadou Sène, que presta consultoria mensal para o Pato Verde. Ele iniciou um trabalho de revisitar as receitas já existentes e dar um sabor diferenciado, com novos temperos, formas de preparo e montagem. Agora, quem chega para somar neste processo é a Márcia Regina Tamiozzo. Ela foi contratada em agosto com uma missão bem importante: supervisionar a cozinha, trabalhando no controle de qualidade, zelando pelas boas práticas e normas de saúde no preparo e manipulação dos alimentos. Antes da comida ser servida, é ela quem experimenta todos os pratos, fazendo uma análise sensorial para testar o sal, o sabor, a cocção e garantir que tudo esteja delicioso para os clientes.

Márcia também é a responsável pela elaboração do cardápio, em parceria com o chefe de cozinha Valdemir Nunes, primando pela utilização integral dos alimentos e buscando uma combinação de pratos que respeite a sazonalidade, por conta da preferência do Prato Verde por orgânicos, produzidos por pequenos produtores locais.

Entre as atribuições de Márcia ainda está o desenvolvimento de novas receitas, que serão aos poucos incluídas ao cardápio, e releitura de alguns pratos tradicionais do restaurante, aprimorando técnicas de cocção e incremento de sabor. “Eu tenho trabalhado para transformar pratos da culinária mundial em versões sem carne”, explica.

De volta à casa

Márcia é ex-funcionária do Prato Verde. A primeira vez que esteve na empresa foi em 2015, quando trabalhava no Caixa. Depois, passou por diversas funções, desde auxiliar de cozinha até administrativo. Em 2016 desligou-se da empresa e, em 2017, recebeu um convite para voltar. “Eu fiquei muito feliz com o convite. É uma forma de colocar meu aprendizado em prática”, comenta ela, que atualmente é estudante do curso de graduação em Gastronomia, na Unisinos. “O Prato Verde é uma historia de amor para mim. Já entrei aqui de todas as formas, como cliente, garçonete e agora na cozinha. Eu conheço a realidade do espaço. Para mim está sendo muito especial! Sou vegetariana há cerca de 10 anos e acredito na proposta do restaurante”.

Entre as novidades do cardápio, estão o burger de grão de bico (uma alternativa ao uso da proteína de soja), os burritos de berinjela e brotos e a bruschetta vegetariana. “Também tenho trabalhado no desenvolvimento de versões veganas de algumas receitas clássicas do Prato Verde”, conta.

Antes do Prato Verde, Márcia já foi professora de Yoga e cursou faculdade de Filosofia, mas não concluiu. Nasceu em Coronel Bicaco, na Região das Missões, e já morou em diversas cidades do Rio Grande do Sul.

 

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *